sábado, 2 de março de 2013

Os criados que não seremos



Esta propaganda miserabilista, intitulada Portugal, Portugueses, destina-se a - segundo o canal de YouTube do Turismo de Portugal - «mobilizar os profissionais do setor do Turismo e todos os portugueses em torno de um sentido comum: tratar bem quem nos visita». Lendo esta descrição à letra, compreende-se que, sem margem para dúvidas, consiste no slogan de uma vera campanha doutrinária de um determinado comportamento manso e servil que se quer impor aos portugueses. Este vídeo transmite uma mensagem nada subtil, que enforma cada português a tornar-se um prostituto ao serviço de clientes turistas que, insensíveis diante das maravilhas de um país constantemente laureado como um dos mais belos da Europa (Lisboa ficou, recentemente, em 4º lugar num ranking das cidades mais belas do mundo), só tem memória para as curvas de uma tal Ana que lhes «mostrou tudo» e para o modo competente como um tal António lhes enrolou na casa de banho as toalhas de enxugar o rabo. Em suma: este vídeo repelente transforma cada português num humilde servente e cada turista num bacoco parvenu cheio de dinheiro e sem gosto. É uma campanha repugnante que consegue a proeza de descrever da pior forma possível os de fora e os de dentro, mas que, seja-se sincero, emite cristalina - como um coice de gelo - a essência do Portugal de "selecção natural" passos-coelhiana. Hoje é um vídeo censurável: amanhã será a realidade, se continuarmos a achar que tudo o que nos estão a dar à colherada é aceitável, normal, inevitável. Revoltem-se!